9 tendências para o mercado de tecnologia que devem se intensificar em 2016

Por Redação | em 10.12.2015 às 18h11

Smartphone

Smartphones substituindo nossa carteira, câmeras mais poderosas, mais capacidade para armazenar seus dados. Parecem coisas que podem não ser novidade para muita gente, mas para a SanDisk estes são alguns dos conceitos que prometem se intensificar ainda mais no ano que vem.

A empresa listou nove expectativas do mercado de TI para os próximos meses e as necessidades dos consumidores com relação a temas como mobilidade, Internet das Coisas, entre outros. Veja abaixo.

1. A capacidade dos smartphones continuará crescendo

De acordo com a IDC, o universo digital alcançará 44 trilhões de gigabytes em 2020.  A verdade é que o nosso consumo e geração de dados estão crescendo rapidamente. Uma área em que isso fica muito claro é a de dispositivos móveis, em que cada vez mais fotos e vídeos estão sendo capturados, com aplicativos maiores e com muitos de nós permanecendo conectados por mais tempo às redes sociais.

As fabricantes de smartphones, por sua vez, estão ampliando suas capacidades. Em 2015, a média de capacidade de armazenamento em um celular premium foi de 38,9 GB. Até 2018, essa quantidade vai praticamente dobrar para 77,2 GB no mundo todo. Um fato interessante é que os smartphones de ponta, tais como o iPhone 6 e o Samsung Galaxy S6, já possuem o mesmo espaço interno (128 GB) do MacBook Air mais básico, e é possível adicionar instantaneamente 200 GB extras aos telefones compatíveis com um cartão microSDXC. 

2. Capture (e grave) isso

As fotografias e os vídeos dos smartphones ficarão ainda mais incríveis. Isso porque as câmeras estão evoluindo de equipamentos básicos feitos para capturar fotos simples para dispositivos mais avançados, graças a aplicativos e tecnologias como Live Photo, câmera lenta e softwares que permitem aos consumidores editar as imagens diretamente no aparelho. Conforme as capacidades de processamento de imagem e o desempenho aumentam nos telefones, os consumidores passam a capturar mais fotos e vídeos, o que estimula as empresas a criar novos produtos para atender às expectativas.

Smartphones

Com mais pessoas tirando fotos com seus smartphones, as fabricantes de câmeras têm forçado os limites da tecnologia e explorando novos mercados. Câmeras 3D, sistemas de realidade virtual, grandes quantidades de megapixels (80 MB), câmeras que podem capturar imagens panorâmicas de 360 graus e vídeo e que capturam a uma velocidade de 1.000 quadros por segundo são inovações que chegarão em breve.

O 4K Ultra HD é outro fenômeno dos dispositivos móveis. Teremos novos sites e novas formas de tirar proveito da resolução extrema que virão dos lugares mais inesperados. 

3. Conexão em rede

A conexão em rede é um dos milagres da revolução digital, mas também é o ponto fraco. Os usuários querem baixar arquivos maiores, com mais frequência e em menos tempo.

O tráfego global da internet irá triplicar ao longo dos próximos cinco anos, segundo algumas previsões. Segundo Danny Kaye, vice-presidente executivo de estratégia de tecnologia e pesquisa global da 20th Century Fox Home Entertainments, as velocidades médias de internet podem aumentar dos 5 Mbps atuais para apenas 11,3 mbps até 2019, mas já agora em 2016, teremos empresas começando a desafiar os limites das velocidades de conexão em rede. Também veremos as companhias explorarem estratégias criativas para armazenamento em cache, salto de espectro e gestão da Internet das Coisas. 

4. Novas empresas mexem com o ambiente de tecnologia móvel

De acordo com a consultoria Gartner, a Huawei foi a fabricante de smartphones com crescimento mais rápido no segundo trimestre. Outras marcas da China, como Xiaomi e Lenovo, continuarão a mexer com os mercados de celulares com novos designs e novas maneiras de vender diretamente aos consumidores. 

5. Os usuários não vão querer mais esperar dois anos por um upgrade de seus smartphones

Por anos, os contratos com as operadoras de celular causavam confusão quando muitos queriam fazer um upgrade de seus telefones - o inevitável contrato de dois anos significava um upgrade a cada dois anos. Em 2016, os consumidores irão trocar de aparelho em muito menos tempo graças aos contratos que permitirão um upgrade mais rápido. Isso significa que muitos terão a tecnologia mais recente em muito menos tempo, enquanto o restante do mundo poderá aproveitar um smartphone remanufaturado com tecnologia (quase) de ponta.

Gadgets readaptados estão se tornando um mercado significativo. Espera-se que essa tendência cresça de 53 milhões em 2014 para 275 milhões em poucos anos. Um smartphone de ponta comum pode render US$ 50 e um bom iPhone pode render entre US$ 200 e US$ 400.

6. Os cartões de memória assumirão um novo papel

O número de telefones com slots de cartão microSDT tem se mantido incrivelmente estável em 75% ao longo dos últimos anos, de acordo com a Strategy Analytics. No futuro próximo, o uso e a versatilidade dos slots e cartões microSD irão crescer.

Um motivo é o dilema de excluir ou não seus arquivos: as pessoas estão ficando sem espaço em seus telefones e querem uma forma de continuar a tirar fotos, principalmente nos países emergentes em que os telefones mais básicos são a maioria. Outra tecnologia importante é a USB Tipo C, uma porta que funciona para alimentação e como slot de memória. E temos também o versátil formato microSD. Google e a Microsoft incluíram suporte em seus sistemas operacionais que permite o uso do cartão microSD como a memória principal. 

7. Os mercados de nível básico deixarão a tecnologia simples para trás

Smartphones

Os mercados emergentes representaram 76% de todas as vendas de smartphone em 2014, e esse número vai subir para 82% até 2020. Isso trará muitas inovações no nível básico. Os consumidores nesses locais não querem a tecnologia do passado, mas sim recursos de ponta a preços baixos. Em 2014, telefones que custavam menos de US$ 200 representavam 60% do mercado. Até 2020, os telefones de menos de US$ 200 serão responsáveis por 70% das vendas com metade desses aparelhos custando menos de US$ 100.

8. O seu smartphone vai se tornar sua chave para se conectar a tudo

Não faz muito tempo quando começamos a confiar em nossos smartphones para tirar fotos ou para nos guiar no caminho até nossos destinos. Agora, podemos usar o dispositivo móvel para dar a partida em um carro, destrancar a porta de casa ou mudar de canal na televisão. Conforme a dependência dos dispositivos móveis aumenta, continuaremos a convergir com a tendência da Internet das Coisas para criar novas capacidades em 2016 que antes não eram possíveis. Quaisquer que sejam essas novas capacidades, ter armazenamento rápido será crucial para garantir que forneçam uma boa experiência para os usuários.

9. Internet das Coisas gerará necessidade por armazenamento flash em novas áreas

2015 foi um ano incrível para IoT. Foram muitos os avanços nos carros conectados, um número cada vez maior de segmentos buscando maneiras de aprimorar a eficiência e o ROI (Retorno sobre investimento, em português) através da conectividade.

A relação consistente entre todos esses segmentos não é apenas o fato de estarem "conectados", mas de que essa experiência conectada demanda armazenamento de alta capacidade, rápido e confiável - o que geralmente significa armazenamento flash. Conforme vamos nos aproximando de 2016, a IoT promete continuar a ter um impacto nessas áreas, além de em novos mercados, tais como saúde, serviços públicos e robótica.

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar