SAS fecha 2013 com crescimento de 28% em receitas no Brasil

Por Rafael Romer RSS | 19.02.2014 às 18h06 - atualizado em 20.02.2014 às 09h51

SAS empresa

A empresa de soluções de software para Business Analytics SAS anunciou nesta quarta-feira (19) os números dos resultados financeiros de suas operações no Brasil e no chamado Cone Sul da América Latina, que abriga também  Chile, Argentina e Peru. 

De acordo com os dados divulgados, a empresa teve um aumento de receitas totais de software (TSR) de 28% na região, um crescimento considerado surpreendente até entre os executivos da empresa, que projetavam um crescimento de 20% no ano passado. O resultado colocou o Brasil como o sétimo principal mercado para o SAS no mundo. 

"O tipo de empresa que usa o SAS já é mais maduro e sofisticado. Nesse sentido, o Brasil não é tão avançado, embora tenhamos um bom mercado de software básico e equipamentos como tablets e telefones, a maturidade das empresas não é tão grande, na média", explicou Márcio Dobal, presidente da SAS Brasil e Cone Sul. "Então o fato do Brasil estar em sétimo no mundo com as vendas novas é bem significativo. Nós ficamos na frente de todos os outros BRICS". 

No restante do Cone Sul, o destaque ficou para a operação da empresa no Peru, que começou no ano passado e já fechou seus primeiros contatos no país. A Argentina, também, pela primeira vez na história de operação do SAS no país, fechou com lucro. Brasil e Chile já fornecem lucro para a empresa há ao menos três anos, afirmou o presidente da região. "Eu acho que o Brasil e a região em geral consolidam sua posição dentro do SAS como uma região que está amadurecendo e está ficando confiável, da qual já se tem alguma expectativa".

SAS Márcio DobalDe acordo com Dobal, empresa não divulga faturamento total que obteve na região do Cone Sul, mas dados globais apontam que o SAS lucrou US$ 3,02 bilhões em 2013 (Foto: Divulgação)

De acordo com o executivo, os resultados foram em parte puxados pelo fechamento de 14 novos contratos fechados no Brasil no ano passado. Entre os destaques, estão o fornecimento de soluções para avaliação de empréstimos em tempo real para o Banco Volkswagen e para o laboratório contra lavagem de dinheiro do Ministério da Justiça, e de sistemas anti-fraude para o Banco Santander. 

O SAS destaca a parceria fechada com a unidade brasileira do Banco Santander na área de Fraude Bancária, através da solução de Analytics fornecida pela empresa. Não foram divulgados dados da transação, mas o acordo foi considerado um dos 20 maiores negócios da empresa no mundo em 2013. A área de soluções anti-fraude é uma das de principal interesse do SAS no país, e os primeiros contratos foram fechados no ano passado. 

Fechados os números de 2013, a vertical de Serviços Financeiros da empresa aparece como a maior parcela da receita total do SAS no Brasil, com 40%. O setor é seguido pela área de Telecom (23%), Governo (16%), Seguradoras (15%) e Varejo e Bens de Consumo (6%). 

A empresa não divulga qual foi o faturamento total que obteve na região, mas dados globais apontam que ela lucrou US$ 3,02 bilhões entre todas suas áreas de operação, com um crescimento de 5,2% em comparação com o ano anterior. Mundialmente, a empresa agregou 1,4 mil novos clientes à sua carteira.

Expectativas para 2014

Dobal estima que a empresa deva crescer outros 20% em 2014, número menor devido principalmente ao momento de incerteza econômica que o país vive. Apesar de afirmar que os serviços ofertados pelo SAS não são diretamente afetados por crescimentos menores do PIB, Dobal enxerga uma relação entre ambos, conforme um cenário pessimista pode levar empresas a cortarem gastos ao invés de investirem excedentes.

"Mesmo que o país esteja tecnicamente em recessão, eu acho que ainda existe uma demanda reprimida pelo tipo de solução que a gente vende. O SAS não é uma empresa que acompanha necessariamente o PIB de um país", afirmou.

Como parte da estratégia de aumento de capilaridade, a empresa deve começar pela primeira vez um programa de parcerias para revendas de seus softwares no Brasil. De acordo com Dobal, a parceria já foi fechada com as três primeiras empresas, mas os nomes só devem ser divulgados em abril. O executivo afirma que o período será de experiência para ver como os parceiros se saem nas revendas de soluções do SAS, frente à "complexidade" dos softwares desenvolvidos pela norte-americana.

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!
Leia a Seguir

Comentários

FIQUE ATUALIZADO
RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS POR E-MAIL